“Cada animal no seu galho”.. Conhecendo o backstage do RIAS..

Partilha esta publicação

Sempre que recebemos visitantes no Centro de Interpretação Ambiental, é-nos perguntado se é possível ver os animais. 

O RIAS funciona como um hospital, recebendo animais selvagens feridos, doentes e debilitados, e por isso, queremos minimizar o stress a que estão sujeitos. Desta forma, apenas é possível visitar o Centro de Interpretação Ambiental.




Dada a curiosidade que sabemos haver, decidimos mostrar como são as instalações onde os animais estão enquanto recuperam.


Numa fase inicial, e dependendo sempre da condição física do animal, são colocados no internamento, onde ficarão enquanto precisarem de assistência para se alimentarem e/ou estabilizarem.




Após saírem deste espaço, são transferidos para câmaras de recuperação interiores, onde podemos continuar a monitorizá-los de perto.


Falcão-peregrino (Falco peregrinus)





Quando em recuperação, é importante que os animais estejam num ambiente semelhante ao seu habitat natural, para um maior conforto e uma maior probabilidade de recuperação. Por essa razão, as instalações do RIAS são adaptadas o máximo possível à espécie em questão. 



A sala das crias é um pequeno espaço onde geralmente estão os passeriformes, ouriços e cágados numa fase inicial, mas também camaleões, morcegos, ou crias de aves.


Nas câmaras de recuperação exteriores, cada espécie é colocada na instalação que mais se adequa às suas necessidades.


Após estar estabilizado, este sacarrabos (Herpestes ichneumon) foi transferido para uma instalação exterior semelhante a regiões de matagais mediterrânicos, o seu habitat preferido. 


No charco, geralmente colocamos patos, como frisadas, patos-reais, galeirões, ou mesmo garças, que habitam em zonas húmidas de água doce/salobra como pauis, lagoas, barragens e açudes. 


Por vezes, é necessário adaptar a instalação perante a chegada de um novo “hóspede”, como aconteceu com este ganso-patola (Morus bassanus). Aqui, foi improvisado um espaço com água salgada.




No entanto, estes habitats não são adequados, por exemplo, a aves de rapina. Para estas espécies, dependendo do porte e/ou fase etária, temos diferentes instalações.



O túnel de voo é onde colocamos aves de grande porte (como abutres, águias, cegonhas ou bufos-reais, entre outros) para que possam praticar o voo.


Grifos (Gyps fulvus)

Bufo-real (Bubo bubo)



Para corujas e mochos, as instalações têm árvores com caixas e locais onde podem ficar escondidos durante o dia (altura em que são menos ativos) e espaço suficiente para voar e recuperar forças.






As gaivotas, por sua vez, são colocadas numa instalação com um lago, onde podem limpar as suas penas e praticar o voo antes de serem devolvidas à Natureza.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Encontrou um animal selvagem ferido?

Não deverá dar água ou comida, pois pode estar a comprometer a recuperação do animal.

Não esclarecemos todas as suas dúvidas?

Loja

O RIAS tem disponíveis vários produtos para venda no nosso centro, em Olhão. Mas pode também adquirir alguns produtos sem se deslocar até ao RIAS!

Voluntariado e Estágios

Os voluntários desempenham um papel imprescindível no funcionamento do RIAS.

Desde 2009, o nosso centro já contou com o apoio de mais de 1.000 voluntários/estagiários.

Tarefas gerais do voluntário

Condições gerais

Se queres trabalhar com fauna selvagem, envia-nos o teu currículo e as datas de voluntariado / estágio através  do nosso formulário de contacto.

Donativos

Os donativos monetários são vitais para melhorias nas instalações e custos associados aos animais em recuperação.

A sua contribuição faz a diferença.

para 927 659 313

IBAN: PT50 0035 0555 0004 8770 8302 8
BIC SWIFT: CGDIPTPL (Caixa Geral de Depósitos de Olhão)

Entregue presencialmente à equipa do RIAS, nas nossas instalações ou durante algum evento.

Se pretender fatura, entre em contacto connosco.

Angariação de material

Contribua com doações de materiais essenciais para a higiene, limpeza e alimentação dos animais no RIAS.

Por favor, contacte-nos previamente para agendar a entrega dos bens.

Apadrinhamento

O apadrinhamento de um animal selvagem em recuperação no RIAS consiste numa contribuição simbólica, e dá-lhe a possibilidade de assistir à devolução à natureza do seu afilhado!

Torne-se um membro ativo na recuperação de animais selvagens em Portugal!

Simples

Valor mínimo:  35€

Super Padrinho

Valor mínimo:  50€

Devolução de animal no RIAS

Valor: (2,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos)

Devolução de animal na escola ou imediações

Valor: (3,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos) + Deslocação para escolas fora do concelho de Olhão

Faça da sua empresa um apoiante para a causa da conservação de fauna selvagem em Portugal. Apadrinhe!

Opções de Apadrinhamento

Cabanas: 150€

Tavira: 250€

Armona: 450€

Culatra: Sob consulta

Deserta: 1500€