Devoluções à Natureza de dia 7 de Dezembro de 2016

Partilha esta publicação

Devolução à Natureza de 2 corvos-pretos (Corvus corax)
Alcaria Ruiva – Mértola
7 de Dezembro de 2016


Estes dois corvos ingressaram com apenas um dia de diferença e vindos de locais bastante próximos. Verificou-se que apresentavam sinais compatíveis com cativeiro ilegal, nomeadamente feridas nas asas e penas primárias partidas. O seu processo de recuperação consistiu em aguardar que as penas de voo crescessem e socialização com outras aves. 


Estas aves foram devolvidas à natureza por representantes do SEPNA/GNR de Almodôvar e do ICNF.



Devolução à Natureza de 5 grifos (Gyps fulvus)
Alcaria Ruiva -Mértola
7 de Dezembro de 2016


Estes cinco grifos foram encontrados em diversas partes do Algarve e do Baixo Alentejo. Todos sofriam de debilidade e desnutrição, tendo a sua recuperação sido baseada na administração de fluídos e disponibilização de comida até restabelecerem as forças.




Os grifos foram libertados por representantes do RIAS, SEPNA/GNR de Almodôvar, ICNF e da empresa NAV. 







Devolução à Natureza de um milhafre-real (Milvus milvus)
Castro Verde
7 de Dezembro de 2016

Este milhafre-real ingressou no RIAS a 15 de Novembro, tendo sido encaminhado para
o nosso centro pela LPN. O animal estava em estado bastante preocupante com
espuma na boca, contracções pupilares, apático e hipotérmico. O quadro clínico indicava que tinha sido vítima de envenenamento. Nos primeiros dias foi medicado e alimentado por sonda, pois não tinha forças para se mexer. Quando recuperou e começou a comer sozinho foi transferido para uma instalação exterior.





Este milhafre-real foi o único sobrevivente de entre 14 animais selvagens vítimas deste caso de envenenamento na ZPE de Castro Verde. Se não fosse a rápida actuação do técnico da LPN que o encontrou e o encaminhou imediatamente para o RIAS, o animal não teria sobrevivido. 

Antes da sua devolução à natureza, esta ave foi marcada com marcas alares, umas placas coloridas presas nas asas. Estas placas têm um código alfa-numérico que permite a sua identificação individual à distância, quando a ave está em voo. Esta é uma técnica testada e aprovada pelas entidades competentes e permitirá obter algum feedback do sucesso da recuperação e da re-adaptação deste indivíduo à natureza. 


Foi devolvido à natureza na presença de cerca de 150 crianças do centro escolar nº 2 de Castro Verde que o baptizaram de “Estrelinha”. 


Estiveram também presentes neste momento elementos do SEPNA/GNR de Almodôvar, o presidente da direcção da Zona de Caça de Entradas, um representante da Associação de Agricultores do Campo Branco, o vereador do ambiente da Câmara Municipal de Castro Verde, alunos da Universidade Sénior de Castro Verde, representantes da Liga para a Protecção da Natureza, do Parque Natural do Vale do Guadiana e  do Parque Natural da Ria Formosa. 





Devolução à Natureza de uma coruja-das-torres (Tyto alba)
Carregueiro – Aljustrel
7 de Dezembro de 2016

Uma coruja-das-torres foi encontrada por um particular, na zona de Aljustrel. O animal estava bastante débil e desidratado e foi necessário administrar fluídos para hidratá-lo. Quando recuperou forças foi colocada uma câmara exterior onde pode treinar o voo e a caça.


A coruja foi devolvida à Natureza por quem a encontrou e ficou baptizada de “Carregueiro”.



O RIAS agradece a todas as entidades e pessoas envolvidas nestas libertações! 

Últimas Publicações

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Encontrou um animal selvagem ferido?

Não deverá dar água ou comida, pois pode estar a comprometer a recuperação do animal.

Não esclarecemos todas as suas dúvidas?

Loja

O RIAS tem disponíveis vários produtos para venda no nosso centro, em Olhão. Mas pode também adquirir alguns produtos sem se deslocar até ao RIAS!

Voluntariado e Estágios

Os voluntários desempenham um papel imprescindível no funcionamento do RIAS.

Desde 2009, o nosso centro já contou com o apoio de mais de 1.000 voluntários/estagiários.

Tarefas gerais do voluntário

Condições gerais

Se queres trabalhar com fauna selvagem, envia-nos o teu currículo e as datas de voluntariado / estágio através  do nosso formulário de contacto.

Donativos

Os donativos monetários são vitais para melhorias nas instalações e custos associados aos animais em recuperação.

A sua contribuição faz a diferença.

para 927 659 313

IBAN: PT50 0035 0555 0004 8770 8302 8
BIC SWIFT: CGDIPTPL (Caixa Geral de Depósitos de Olhão)

Entregue presencialmente à equipa do RIAS, nas nossas instalações ou durante algum evento.

Se pretender fatura, entre em contacto connosco.

Angariação de material

Contribua com doações de materiais essenciais para a higiene, limpeza e alimentação dos animais no RIAS.

Por favor, contacte-nos previamente para agendar a entrega dos bens.

Apadrinhamento

O apadrinhamento de um animal selvagem em recuperação no RIAS consiste numa contribuição simbólica, e dá-lhe a possibilidade de assistir à devolução à natureza do seu afilhado!

Torne-se um membro ativo na recuperação de animais selvagens em Portugal!

Simples

Valor mínimo:  35€

Super Padrinho

Valor mínimo:  50€

Devolução de animal no RIAS

Valor: (2,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos)

Devolução de animal na escola ou imediações

Valor: (3,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos) + Deslocação para escolas fora do concelho de Olhão

Faça da sua empresa um apoiante para a causa da conservação de fauna selvagem em Portugal. Apadrinhe!

Opções de Apadrinhamento

Cabanas: 150€

Tavira: 250€

Armona: 450€

Culatra: Sob consulta

Deserta: 1500€