Mais um caso a acrescentar aos 279 animais que ingressaram no RIAS com redes, fios ou anzóis presos no corpo!

Partilha esta publicação

A poluição nos oceanos é um problema crescente. Atualmente, estima-se que cerca de 10% do lixo que existe nos oceanos corresponde a material de pesca (fios, anzóis, redes, …) perdido, abandonado ou descartado. Material este, que tem claramente um impacto negativo em todos os animais que vivem, ou dependem do meio aquático para sobreviver.


Desde que o RIAS está em funcionamento, ingressaram 279 animais com rede, fio ou anzol emaranhados no corpo. Apesar de haver um maior ingresso de aves, são vários os casos de répteis e mamíferos nestas situações. 

Cágado-mediterrânico (Mauremys leprosa) com anzol no interior da boca.

Ouriço-cacheiro (Erinaceus europaeus) que ingressou com rede em redor do corpo.


As linhas e redes de pesca, quando enredadas em membros, provocam uma falha na vascularização, que não sendo tratada pode resultar na necrose  (morte) dos tecidos. Por vezes, a única forma de salvar o animal é recorrer à amputação do membro afetado. 


Gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis) após cirurgia para amputação de pata.

Os anzóis, por sua vez, podem causar lesões internas nos animais, ou infeções graves. 

Ganso-patola (Morus bassanus) com anzol no estômago.


Gaivota de Audouin (Larus audouinii) com anzóis em ambas as patas e no bico.

A somar aos ferimentos causados por redes, fios ou anzóis, os animais apresentam sempre debilidade, resultado da incapacidade de movimentação ou alimentação.
 
O caso em destaque é de uma gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis) que ingressou com um fio – e respetiva amostra – enrolado nas patas, e um outro anzol preso na mandíbula.

No dia de ingresso. 

Foi necessário administrar antibiótico, e realizar a debridagem (remoção de tecido necrótico) e limpeza da ferida.

Após debridagem.

Dez dias após a debridagem.

Um mês após a debridagem.

Toda a dedicação direcionada a esta gaivota resultou na sua devolução à Natureza. 

Últimas Publicações

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Encontrou um animal selvagem ferido?

Não deverá dar água ou comida, pois pode estar a comprometer a recuperação do animal.

Não esclarecemos todas as suas dúvidas?

Loja

O RIAS tem disponíveis vários produtos para venda no nosso centro, em Olhão. Mas pode também adquirir alguns produtos sem se deslocar até ao RIAS!

Voluntariado e Estágios

Os voluntários desempenham um papel imprescindível no funcionamento do RIAS.

Desde 2009, o nosso centro já contou com o apoio de mais de 1.000 voluntários/estagiários.

Tarefas gerais do voluntário

Condições gerais

Se queres trabalhar com fauna selvagem, envia-nos o teu currículo e as datas de voluntariado / estágio através  do nosso formulário de contacto.

Donativos

Os donativos monetários são vitais para melhorias nas instalações e custos associados aos animais em recuperação.

A sua contribuição faz a diferença.

para 927 659 313

IBAN: PT50 0035 0555 0004 8770 8302 8
BIC SWIFT: CGDIPTPL (Caixa Geral de Depósitos de Olhão)

Entregue presencialmente à equipa do RIAS, nas nossas instalações ou durante algum evento.

Se pretender fatura, entre em contacto connosco.

Angariação de material

Contribua com doações de materiais essenciais para a higiene, limpeza e alimentação dos animais no RIAS.

Por favor, contacte-nos previamente para agendar a entrega dos bens.

Apadrinhamento

O apadrinhamento de um animal selvagem em recuperação no RIAS consiste numa contribuição simbólica, e dá-lhe a possibilidade de assistir à devolução à natureza do seu afilhado!

Torne-se um membro ativo na recuperação de animais selvagens em Portugal!

Simples

Valor mínimo:  35€

Super Padrinho

Valor mínimo:  50€

Devolução de animal no RIAS

Valor: (2,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos)

Devolução de animal na escola ou imediações

Valor: (3,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos) + Deslocação para escolas fora do concelho de Olhão

Faça da sua empresa um apoiante para a causa da conservação de fauna selvagem em Portugal. Apadrinhe!