O RIAS e a ciência de seguimento de aves

Partilha esta publicação

Todas as aves libertadas pelo RIAS – Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens são marcadas com anilhas metálicas fornecidas pela Central Nacional de Anilhagem (ICNF) para que, no caso destas serem recapturadas, ser obtida informação acerca do destino destes indivíduos após a recuperação. No entanto, não é raro ingressarem no RIAS aves que já se encontravam anilhadas e, nos últimos cinco anos, foram recebidas, em média, 20 aves anilhadas por ano. Através do código contido na anilha é possível conhecer informação relativa à anilhagem e, embora grande parte desses indivíduos fossem provenientes de outros locais da Península Ibérica, já nos chegaram aves anilhadas em países tão distantes como a Noruega e a Islândia!
Cada vez, são utilizados aparelhos de seguimento mais complexos para seguimento de aves e, entre os 27 animais admitidos no RIAS na semana passada, constou uma gaivota-de-patas-amarelas (Larus michahellis) que transportava um GSM data logger. Este é um aparelho eletrónico que permite a recolha de vários sinais que podem ser analisados num computador após a recolha do aparelho. O aparelho foi por isso recolhido e devolvido ao grupo de investigação em Sistemas Costeiros e Oceano do MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente, responsáveis pela sua colocação na gaivota, no verão de 2017, na ilha da Barreta.
Gaivota-de-patas-amarelas com GSM data logger acoplado ao dorso.
Mas os casos mais recentes não se encerram na última semana. Já na primeira semana de novembro, foi-nos trazido um ganso-patola (Morus bassanus) juvenil, encontrado perto de Lagoa, que transportava um GPS data logger. Este aparelho, igualmente alimentado por painéis solares, mas mais sofisticado que o anterior, emite um sinal frequente com a posição do animal que pode ser analisado praticamente em tempo real no ecrã de um computador. O aparelho instalado por elementos da British Trust for Ornithology, foi-lhes devolvido para que o possam utilizar em outros indivíduos que venham a ser estudados no âmbito do programa de seguimento de aves que esta instituição leva a cabo no Reino Unido.
GPS data logger e anilha recolhidos no ganso-patola que, infelizmente, não sobreviveu ao internamento no RIAS. 
Segundo a informação fornecida, este ganso-patola foi anilhado em 5 de outubro no ilhéu Bass Rock, na Escócia, e, apenas trinta e um dias após ter sido anilhada, foi encontrado a 2154 km deste local. Infelizmente, esta espécie apresenta uma das taxas de sucesso de recuperação mais baixas entre aquelas que ingressam no RIAS, pois tratam-se normalmente de juvenis num estado de fadiga extremo, e a ave não sobreviveu ao internamento. Permanece, contudo, o seu contributo para a ciência, na esperança que um dia sejam encontradas soluções para as ameaças que estas aves enfrentam atualmente. 

Últimas Publicações

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Encontrou um animal selvagem ferido?

Não deverá dar água ou comida, pois pode estar a comprometer a recuperação do animal.

Não esclarecemos todas as suas dúvidas?

Loja

O RIAS tem disponíveis vários produtos para venda no nosso centro, em Olhão. Mas pode também adquirir alguns produtos sem se deslocar até ao RIAS!

Voluntariado e Estágios

Os voluntários desempenham um papel imprescindível no funcionamento do RIAS.

Desde 2009, o nosso centro já contou com o apoio de mais de 1.000 voluntários/estagiários.

Tarefas gerais do voluntário

Condições gerais

Se queres trabalhar com fauna selvagem, envia-nos o teu currículo e as datas de voluntariado / estágio através  do nosso formulário de contacto.

Donativos

Os donativos monetários são vitais para melhorias nas instalações e custos associados aos animais em recuperação.

A sua contribuição faz a diferença.

para 927 659 313

IBAN: PT50 0035 0555 0004 8770 8302 8
BIC SWIFT: CGDIPTPL (Caixa Geral de Depósitos de Olhão)

Entregue presencialmente à equipa do RIAS, nas nossas instalações ou durante algum evento.

Se pretender fatura, entre em contacto connosco.

Angariação de material

Contribua com doações de materiais essenciais para a higiene, limpeza e alimentação dos animais no RIAS.

Por favor, contacte-nos previamente para agendar a entrega dos bens.

Apadrinhamento

O apadrinhamento de um animal selvagem em recuperação no RIAS consiste numa contribuição simbólica, e dá-lhe a possibilidade de assistir à devolução à natureza do seu afilhado!

Torne-se um membro ativo na recuperação de animais selvagens em Portugal!

Simples

Valor mínimo:  35€

Super Padrinho

Valor mínimo:  50€

Devolução de animal no RIAS

Valor: (2,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos)

Devolução de animal na escola ou imediações

Valor: (3,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos) + Deslocação para escolas fora do concelho de Olhão

Faça da sua empresa um apoiante para a causa da conservação de fauna selvagem em Portugal. Apadrinhe!

Opções de Apadrinhamento

Cabanas: 150€

Tavira: 250€

Armona: 450€

Culatra: Sob consulta

Deserta: 1500€