O RIAS recebe um ganso-patola proveniente do CRASSA, um centro de recuperação no Alentejo

Partilha esta publicação

Em meados de Junho, o CRASSA recebeu um ganso-patola (Morus bassanusjuvenil que foi resgatado na Praia da Costa de Santo André pela equipa do ICNF da Reserva Natural da Lagoa de Santo André e da Sancha.

Aparentava ter bastante dificuldade na locomoção. Porquê? Tinha um fio de plástico enrolado à volta do bico e do pescoço, impedindo-o de levantar a cabeça. 


Durante o exame físico, a equipa do CRASSA não encontrou mais nenhum corpo estranho (anzol, fio, etc.) dentro do esófago, e por isso, pôde remover de imediato o fio. Posteriormente, o animal foi estabilizado com recurso a fluidoterapia oral, e mais tarde, foi-lhe fornecido peixe que aceitou de bom grado.


Esta espécie passa grande parte da sua vida em alto mar, e por isso era de extrema importância a adequação da instalação em cativeiro a esta sua necessidade. Por não possuir uma piscina adequada para as necessidades do animal, o CRASSA recorreu à Rede Nacional de Centros de Recuperação de Animais Selvagens, e entrou em contacto connosco, um dos centros adaptados à receção de aves marinhas.


Quatro dias após ter chegado a este centro no litoral alentejano, deu então entrada no RIAS. Aqui, permaneceu inicialmente numa piscina pequena com acesso a uma plataforma para avaliar a impermeabilidade. Dias mais tarde, forte e já confirmada a impermeabilidade, foi transferido para uma piscina maior onde ficou sem plataforma até ao fim da sua “estadia”.

Duas semanas mais tarde, pôde finalmente ser transportado até mar alto, e ser devolvido ao seu habitat natural.

Para isto, contámos com o apoio do ICNF para o transporte e com a presença de uma técnica do CRASSA.

Últimas Publicações

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Encontrou um animal selvagem ferido?

Não deverá dar água ou comida, pois pode estar a comprometer a recuperação do animal.

Não esclarecemos todas as suas dúvidas?

Loja

O RIAS tem disponíveis vários produtos para venda no nosso centro, em Olhão. Mas pode também adquirir alguns produtos sem se deslocar até ao RIAS!

Voluntariado e Estágios

Os voluntários desempenham um papel imprescindível no funcionamento do RIAS.

Desde 2009, o nosso centro já contou com o apoio de mais de 1.000 voluntários/estagiários.

Tarefas gerais do voluntário

Condições gerais

Se queres trabalhar com fauna selvagem, envia-nos o teu currículo e as datas de voluntariado / estágio através  do nosso formulário de contacto.

Donativos

Os donativos monetários são vitais para melhorias nas instalações e custos associados aos animais em recuperação.

A sua contribuição faz a diferença.

para 927 659 313

IBAN: PT50 0035 0555 0004 8770 8302 8
BIC SWIFT: CGDIPTPL (Caixa Geral de Depósitos de Olhão)

Entregue presencialmente à equipa do RIAS, nas nossas instalações ou durante algum evento.

Se pretender fatura, entre em contacto connosco.

Angariação de material

Contribua com doações de materiais essenciais para a higiene, limpeza e alimentação dos animais no RIAS.

Por favor, contacte-nos previamente para agendar a entrega dos bens.

Apadrinhamento

O apadrinhamento de um animal selvagem em recuperação no RIAS consiste numa contribuição simbólica, e dá-lhe a possibilidade de assistir à devolução à natureza do seu afilhado!

Torne-se um membro ativo na recuperação de animais selvagens em Portugal!

Simples

Valor mínimo:  35€

Super Padrinho

Valor mínimo:  50€

Devolução de animal no RIAS

Valor: (2,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos)

Devolução de animal na escola ou imediações

Valor: (3,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos) + Deslocação para escolas fora do concelho de Olhão

Faça da sua empresa um apoiante para a causa da conservação de fauna selvagem em Portugal. Apadrinhe!

Opções de Apadrinhamento

Cabanas: 150€

Tavira: 250€

Armona: 450€

Culatra: Sob consulta

Deserta: 1500€