Projecto: “Estratégias e técnicas demonstrativas para a erradicação de cágados invasores”

Partilha esta publicação

 
Sob a denominação completa de “Estratégias e técnicas demonstrativas para a erradicação de cágados invasores”, o Projecto LIFE Trachemys (LIFE09 NAT/ES/000529) integra-se no Programa LIFE+, um instrumento financeiro para a conservação e protecção da natureza na União Europeia, que co-financia iniciativas ambientais nos estados membros da União Europeia.
Este projecto está incluido na secção “LIFE+ Biodiversidade” que visa desenvolver projectos inovadores ou de demonstração que contribuem para a concretização dos objectivos da Comissão Europeia “Travar a perda de Biodiversidade”.
Sendo um projecto internacional, desenvolvido em Portugal e Espanha, conta com a participação e troca de experiências entre os beneficiários coordenadores e os beneficiários associados:
Beneficiário Coordenador Geral:


Beneficiário Coordenador Nacional:

Beneficiários Associados:
Co-financiamento Comunitário:
Equipa LIFE+ Trachemys
Da esquerda para a direita: Ignacio Lacomba Andueza (Generalitat Valenciana/VAERSA), Fábia Azevedo (ALDEIA/RIAS), Bruno Herlander Martins (CIBIO-UP), José Teixeira (CIBIO-UP), Ana Alves (Águas e Parque Biológico de Gaia) e Vicente Sancho Alcayde (Generalitat Valenciana/VAERSA)



A introdução de espécies exóticas é um dos principais problemas da conservação da biodiversidade. Na Europa, o caso das tartarugas aquáticas alóctones é especialmente preocupante para as espécies autóctones Emys orbicularis (cágado-de-carapaça-estriada) e Mauremys leprosa (cágado-mediterrânico).



Emys orbicularis (cágado-de-carapaça-estriada)



Para reduzir este impacto pôs-se em marcha o projecto LIFE+ Trachemys, co-financiado pela Comissão Europeia, para o seu desenvolvimento em 17 zonas húmidas da Generalidade Valenciana e Portugal.

Os objectivos principais do projecto são:

– Diminuir a perda de biodiversidade aquática devido à presença de tartarugas exóticas, sobretudo de Trachemys scripta.
– Criar uma estratégia de erradicação de populações selvagens de tartarugas exóticas invasoras.
– Conservar as populações actuais de anfíbios e tartarugas autóctones.– Desenvolver regulamentos específicos para evitar o comércio e o uso de tartarugas invasoras como animais de estimação bem como a sua libertação em meio natural. – Informar a sociedade para a problemática causada pela libertação de espécies exóticas na natureza e evitar esta prática tão habitual. – Pôr em prática a metodologia e técnicas propostas em zonas piloto para demonstrar a sua adequabilidade e viabilidade.


Uma vez demonstrada a adequabilidade da metodologia e técnicas propostas para a sua réplica em outras áreas com este problema, esperamos conseguir os seguintes resultados: – Desenvolvimento de um protocolo padrão e um manual de métodos e técnicas para a erradicação de populações de tartarugas exóticas invasoras; – Aplicação do protocolo em zonas húmidas piloto situadas em Espanha e Portugal; – Demonstração da viabilidade de novas técnicas para a detecção de áreas de nidificação de tartarugas exóticas; – Colheita de ovos e indivíduos em populações naturalizadas de tartarugas exóticas; – Reforço populacional de tartarugas autóctones em 10 zonas húmidas de Espanha e Portugal, e; – Organização de um seminário internacional sobre o controlo de fauna exótica invasora em zonas húmidas.


Duração do Projecto:
3 anos

Data de início: 01/01/2011
Data de fim: 31/12/2013

Área de actuação em Portugal:

As capturas de animais serão realizadas em 4 lagoas de Loulé: Lagoa do Garão, Lagoa de São Lourenço, Lagoa das Dunas Douradas e Lagoa da Quinta do Lago Sul. Os cágados capturados serão encaminhados para o RIAS em Olhão e para o Parque Biológico de Gaia.


Principais Acções da ALDEIA / RIAS:
As acções do RIAS neste projecto consistirão na gestão dos cágados exóticos capturados, controlo epidemiológico dos cágados exóticos e reprodução em cativeiro de cágado-de-carapaça-estriada (Emys orbicularis) para posterior reintrodução no meio natural.


Legislação:
Este projecto tem como base legal nacional o Decreto-Lei nº 565/99 de 21 de Dezembro que regula a introdução na natureza de espécies não indígenas da flora e fauna, proíbe a criação ou detenção em local confinado e a utilização como animal de companhia da espécie Trachemys scripta, sendo neste aspecto mais restritivo do que os regulamentos comunitários (Regulamento da Comissão nº 2551/97/CE e Regulamento (CE) nº 349/2003 da Comissão.

Pode descarregar o Decreto-Lei nº 565/99 aqui.

Contactos LIFE+ Trachemys:
Coordenador Geral Valência: lifetrachemys@gva.es
Coordenador Portugal: José Teixeira (CIBIO-UP): jteixeira@mail.icav.up.pt
Coordenador do trabalho de campo: Bruno Herlander Martins (CIBIO-UP): bruno_herlander@hotmail.com
ALDEIA/RIAS: Fábia Azevedo: rias.aldeia@gmail.com
Parque Biológico de Gaia: Ana Alves: ana@parquebiologico.pt

 
Site Oficial do Projecto:

Últimas Publicações

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Encontrou um animal selvagem ferido?

Não deverá dar água ou comida, pois pode estar a comprometer a recuperação do animal.

Não esclarecemos todas as suas dúvidas?

Loja

O RIAS tem disponíveis vários produtos para venda no nosso centro, em Olhão. Mas pode também adquirir alguns produtos sem se deslocar até ao RIAS!

Voluntariado e Estágios

Os voluntários desempenham um papel imprescindível no funcionamento do RIAS.

Desde 2009, o nosso centro já contou com o apoio de mais de 1.000 voluntários/estagiários.

Tarefas gerais do voluntário

Condições gerais

Se queres trabalhar com fauna selvagem, envia-nos o teu currículo e as datas de voluntariado / estágio através  do nosso formulário de contacto.

Donativos

Os donativos monetários são vitais para melhorias nas instalações e custos associados aos animais em recuperação.

A sua contribuição faz a diferença.

para 927 659 313

IBAN: PT50 0035 0555 0004 8770 8302 8
BIC SWIFT: CGDIPTPL (Caixa Geral de Depósitos de Olhão)

Entregue presencialmente à equipa do RIAS, nas nossas instalações ou durante algum evento.

Se pretender fatura, entre em contacto connosco.

Angariação de material

Contribua com doações de materiais essenciais para a higiene, limpeza e alimentação dos animais no RIAS.

Por favor, contacte-nos previamente para agendar a entrega dos bens.

Apadrinhamento

O apadrinhamento de um animal selvagem em recuperação no RIAS consiste numa contribuição simbólica, e dá-lhe a possibilidade de assistir à devolução à natureza do seu afilhado!

Torne-se um membro ativo na recuperação de animais selvagens em Portugal!

Simples

Valor mínimo:  35€

Super Padrinho

Valor mínimo:  50€

Devolução de animal no RIAS

Valor: (2,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos)

Devolução de animal na escola ou imediações

Valor: (3,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos) + Deslocação para escolas fora do concelho de Olhão

Faça da sua empresa um apoiante para a causa da conservação de fauna selvagem em Portugal. Apadrinhe!

Opções de Apadrinhamento

Cabanas: 150€

Tavira: 250€

Armona: 450€

Culatra: Sob consulta

Deserta: 1500€