Recentemente deram entrada no RIAS, três aves vítimas de tentativa de abate a tiro!!

Partilha esta publicação

Duas destas aves eram gaivotas-de-patas-amarelas (Larus michahellis). Uma delas continha um chumbo na zona lombar da coluna (imagem em baixo, à esquerda) e a outra,  na cabeça e ombro (imagem em baixo, à direita).

Infelizmente, a localização do chumbo numa destas gaivotas, causou uma lesão medular irreversível que a impossibilitava de caminhar de forma permanente. Sem possibilidades médicas para devolver ao animal a sua autonomia, a equipa veterinária decidiu que deveria ser administrada eutanásia, terminando o sofrimento e angústia causados a esta gaivota.

Também a outra gaivota acabou por não resistir aos graves ferimentos provocados pelos projécteis que frequentemente causam infecções na zona atingida.

Raio-x de duas gaivotas, onde é possível observar os chumbos.
A terceira espécie, alvo da mesma crueldade, foi um milhafre-preto (Milvus migrans), uma ave de rapina que se alimenta principalmente de animais mortos, e que migra para Portugal em Março para nidificar.

Infelizmente, nem sempre é bem recebido por todos. Durante o exame físico, foram encontradas fraturas em ambos os cúbitos, correspondentes a dois dos três locais onde foi atingido por chumbo.


Raio-x do milhafre-preto.


Foi então necessário fazer ligaduras nas asas, para evitar o movimento e consequente pioria da condição física, e administração de antibiótico. Apresentando também debilidade, por não se conseguir alimentar, recebeu fluídos sub-cutâneos para uma rápida hidratação, e foi-lhe fornecido alimento.

Foi então colocado numa das nossas câmaras de recuperação interiores para ser vigiado de perto nesta fase crítica. 

Últimas Publicações

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Encontrou um animal selvagem ferido?

Não deverá dar água ou comida, pois pode estar a comprometer a recuperação do animal.

Não esclarecemos todas as suas dúvidas?

Loja

O RIAS tem disponíveis vários produtos para venda no nosso centro, em Olhão. Mas pode também adquirir alguns produtos sem se deslocar até ao RIAS!

Voluntariado e Estágios

Os voluntários desempenham um papel imprescindível no funcionamento do RIAS.

Desde 2009, o nosso centro já contou com o apoio de mais de 1.000 voluntários/estagiários.

Tarefas gerais do voluntário

Condições gerais

Se queres trabalhar com fauna selvagem, envia-nos o teu currículo e as datas de voluntariado / estágio através  do nosso formulário de contacto.

Donativos

Os donativos monetários são vitais para melhorias nas instalações e custos associados aos animais em recuperação.

A sua contribuição faz a diferença.

para 927 659 313

IBAN: PT50 0035 0555 0004 8770 8302 8
BIC SWIFT: CGDIPTPL (Caixa Geral de Depósitos de Olhão)

Entregue presencialmente à equipa do RIAS, nas nossas instalações ou durante algum evento.

Se pretender fatura, entre em contacto connosco.

Angariação de material

Contribua com doações de materiais essenciais para a higiene, limpeza e alimentação dos animais no RIAS.

Por favor, contacte-nos previamente para agendar a entrega dos bens.

Apadrinhamento

O apadrinhamento de um animal selvagem em recuperação no RIAS consiste numa contribuição simbólica, e dá-lhe a possibilidade de assistir à devolução à natureza do seu afilhado!

Torne-se um membro ativo na recuperação de animais selvagens em Portugal!

Simples

Valor mínimo:  35€

Super Padrinho

Valor mínimo:  50€

Devolução de animal no RIAS

Valor: (2,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos)

Devolução de animal na escola ou imediações

Valor: (3,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos) + Deslocação para escolas fora do concelho de Olhão

Faça da sua empresa um apoiante para a causa da conservação de fauna selvagem em Portugal. Apadrinhe!