SÁBADO LIVRE | Devolução à natureza de um tordo-comum

Partilha esta publicação

No início de outubro notou-se a chegada das primeiras aves
de espécies invernantes em Portugal. São aves que têm as suas áreas de
reprodução em latitudes mais a norte, que lhes proporcionam as condições
ideais de alimentação e nidificação durante a primavera e verão mas cujas
circunstâncias no inverno não permitiriam a sua sobrevivência ali. Por isso,
uma vez terminado o período reprodutor, adultos e juvenis vêm-se forçados a
realizar viagens de milhares de quilómetros até zonas de invernada que lhes
oferecem melhores probabilidades de sobrevivência durante a estação fria, ainda
que contabilizando os riscos da viagem.

Foi no final do mês de outubro que ingressaram as primeiras aves invernantes no RIAS – Centro de Recuperação e Investigação de animais Selvagens, entre as quais um tordo-comum (Turdus philomelos) que apresentava um trauma na asa esquerda. À semelhança do tratamento que é aplicado em humanos, a sua asa foi imobilizada de modo a que pudesse recuperar rápido a sua capacidade de voo. A ave realizou uma recuperação surpreendente e, em menos de três semanas, estava pronta para ser devolvida à natureza.

Anilha metálica colocada na pata direita da ave antes da devolução à natureza.  

Como é habitual, o regresso à natureza deste tordo-comum partiu da mão de uma criança. Na explicação prévia à libertação, os participantes neste Sábado Livre foram sensibilizados para as baixas probabilidades de sobrevivência desta espécie, uma vez que às inclemências climatéricas se somam as ameaças derivadas de atividades humanas, entre as quais a caça. Novembro e Dezembro são meses de forte atividade venatória, em que se encontra aberta a caça a praticamente todas as espécies cinegéticas, incluindo o tordo-comum.

Devolução à natureza do tordo-comum em frente ao RIAS.



Neste contexto, aproveitámos para explicar o risco que as munições de chumbo na caça impõe tanto à saúde humana, como aos ecossistemas. Em setembro foi mesmo publicado um relatório pela Agência Europeia de Químicos (ECHA) que suporta uma futura atuação da comissão europeia no sentido de exigir aos estados membros medidas de proibição do uso de chumbo na caça. Embora o uso ou detenção de cartuchos carregados com projéteis de chumbo seja já proibido nas zonas húmidas, estima-se que aproximadamente 14.000 toneladas de munições de chumbo sejam espalhadas em meios terrestres na União Europeia, responsáveis pelo envenenamento anual de mais de 1 milhão de aves e cuja persistência no solo causa uma séria contaminação das reservas de água, pondo em risco todo o ecossistema e a saúde pública. Estes valores são preocupantes para um metal que pode causar problemas neurológicos e, em simultâneo com a reabilitação de animais, este é um dos objetivos principais do RIAS: a sensibilização ambiental da população, confiantes que os erros do passado serão um importante contributo para uma humanidade melhor.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Encontrou um animal selvagem ferido?

Não deverá dar água ou comida, pois pode estar a comprometer a recuperação do animal.

Não esclarecemos todas as suas dúvidas?

Loja

O RIAS tem disponíveis vários produtos para venda no nosso centro, em Olhão. Mas pode também adquirir alguns produtos sem se deslocar até ao RIAS!

Voluntariado e Estágios

Os voluntários desempenham um papel imprescindível no funcionamento do RIAS.

Desde 2009, o nosso centro já contou com o apoio de mais de 1.000 voluntários/estagiários.

Tarefas gerais do voluntário

Condições gerais

Se queres trabalhar com fauna selvagem, envia-nos o teu currículo e as datas de voluntariado / estágio através  do nosso formulário de contacto.

Donativos

Os donativos monetários são vitais para melhorias nas instalações e custos associados aos animais em recuperação.

A sua contribuição faz a diferença.

para 927 659 313

IBAN: PT50 0035 0555 0004 8770 8302 8
BIC SWIFT: CGDIPTPL (Caixa Geral de Depósitos de Olhão)

Entregue presencialmente à equipa do RIAS, nas nossas instalações ou durante algum evento.

Se pretender fatura, entre em contacto connosco.

Angariação de material

Contribua com doações de materiais essenciais para a higiene, limpeza e alimentação dos animais no RIAS.

Por favor, contacte-nos previamente para agendar a entrega dos bens.

Apadrinhamento

O apadrinhamento de um animal selvagem em recuperação no RIAS consiste numa contribuição simbólica, e dá-lhe a possibilidade de assistir à devolução à natureza do seu afilhado!

Torne-se um membro ativo na recuperação de animais selvagens em Portugal!

Simples

Valor mínimo:  35€

Super Padrinho

Valor mínimo:  50€

Devolução de animal no RIAS

Valor: (2,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos)

Devolução de animal na escola ou imediações

Valor: (3,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos) + Deslocação para escolas fora do concelho de Olhão

Faça da sua empresa um apoiante para a causa da conservação de fauna selvagem em Portugal. Apadrinhe!

Opções de Apadrinhamento

Cabanas: 150€

Tavira: 250€

Armona: 450€

Culatra: Sob consulta

Deserta: 1500€