Será que deve sempre recolher a pequena cria que encontrou?

Partilha esta publicação

É na altura da primavera/verão que as aves nidificam (constroem o ninho) e as pequenas crias eclodem dos ovos. Por esta razão, são várias as crias/juvenis encontradas no chão, recolhidas e entregues no nosso centro. 
Mas será o mais correto recolher a pequena cria?

Nem sempre!
   
O primeiro factor a ter em conta é o estado de saúde da ave. Caso aparente ter ferimentos ou estar debilitada deverá obviamente ser encaminhada para o centro de recuperação de fauna selvagem mais próximo – Lista Nacional de centros de recuperação para fauna selvagem AQUI.


Em caso algum deverá manter a ave em casa! Para além de ser ilegal, está a comprometer a sua recuperação.

À esquerda uma andorinha mantida em casa durante vários dias, e à direita uma transportada rapidamente para o RIAS.
Caso não pareça ter nenhum ferimento, há que questionar se:
– Tem penas?
– Há perigo (estradas ou predadores) nas proximidades?
– Os progenitores poderão estar por perto?


Todos estes pormenores são importantes na decisão. Se a ave já tiver penas, pode apenas ser sinónimo de que está na fase em que começa/aprende a voar – em inglês denominada de fledgling –, e poderá ter tentado o seu primeiro voo. É comum ficarem nas imediações do ninho, e serem alimentadas pelos progenitores. 

No entanto, se a ave ainda não tiver desenvolvido penas – em inglês denominada de nestling -, poderá ter caído acidentalmente do ninho ou estar sem os progenitores, e desta forma, corre o risco de não sobreviver.
 Neste caso, e se os progenitores foram observados, deve ser colocada no ninho ou num local alto. Caso não encontre um local seguro para a deixar, deverá transportar/encaminhar a ave até um centro de recuperação de fauna selvagem.

Apesar de todas estas orientações, poderão haver exceções. 


Em caso de dúvida, pode sempre contactar-nos.



E lembre-se…

A melhor hipótese de sobrevivência da cria será com os progenitores.

Últimas Publicações

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Encontrou um animal selvagem ferido?

Não deverá dar água ou comida, pois pode estar a comprometer a recuperação do animal.

Não esclarecemos todas as suas dúvidas?

Loja

O RIAS tem disponíveis vários produtos para venda no nosso centro, em Olhão. Mas pode também adquirir alguns produtos sem se deslocar até ao RIAS!

Voluntariado e Estágios

Os voluntários desempenham um papel imprescindível no funcionamento do RIAS.

Desde 2009, o nosso centro já contou com o apoio de mais de 1.000 voluntários/estagiários.

Tarefas gerais do voluntário

Condições gerais

Se queres trabalhar com fauna selvagem, envia-nos o teu currículo e as datas de voluntariado / estágio através  do nosso formulário de contacto.

Donativos

Os donativos monetários são vitais para melhorias nas instalações e custos associados aos animais em recuperação.

A sua contribuição faz a diferença.

para 927 659 313

IBAN: PT50 0035 0555 0004 8770 8302 8
BIC SWIFT: CGDIPTPL (Caixa Geral de Depósitos de Olhão)

Entregue presencialmente à equipa do RIAS, nas nossas instalações ou durante algum evento.

Se pretender fatura, entre em contacto connosco.

Angariação de material

Contribua com doações de materiais essenciais para a higiene, limpeza e alimentação dos animais no RIAS.

Por favor, contacte-nos previamente para agendar a entrega dos bens.

Apadrinhamento

O apadrinhamento de um animal selvagem em recuperação no RIAS consiste numa contribuição simbólica, e dá-lhe a possibilidade de assistir à devolução à natureza do seu afilhado!

Torne-se um membro ativo na recuperação de animais selvagens em Portugal!

Simples

Valor mínimo:  35€

Super Padrinho

Valor mínimo:  50€

Devolução de animal no RIAS

Valor: (2,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos)

Devolução de animal na escola ou imediações

Valor: (3,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos) + Deslocação para escolas fora do concelho de Olhão

Faça da sua empresa um apoiante para a causa da conservação de fauna selvagem em Portugal. Apadrinhe!