Três patos-reais de volta à natureza após ingressarem no RIAS por diferentes razões

Partilha esta publicação

Este pato-real (Anas platyrhynchos) chegou ao RIAS era ainda uma pequena cria. Foi atropelado, mas felizmente não apresentava lesões físicas. Estava sim, hipotérmico, debilitado e tinha estertores (ruídos pulmonares anormais). Foram-lhe administrados fluídos sub-cutâneos para compensar esta debilidade e a ave foi colocada no internamento, onde ficou sob monitorização constante.

Felizmente, a sua recuperação teve sempre a evolução esperada pela equipa, e vários dias mais tarde, começou a passar algumas horas por dia num espaço maior, e uma semana depois foi transferido para uma câmara de recuperação.

A crescer a olhos vistos, e um mês depois de chegar ao RIAS, foi finalmente transferido para uma instalação exterior com charco, onde ficou em recuperação quase um mês até que foi devolvido à Natureza pela Júlia.


Os dois patos abaixo ingressaram no centro por uma razão diferente – não conseguiam voar. No entanto, durante o exame físico foi visível que o motivo estava relacionado com o facto de estarem a fazer a muda de penas. Neste período – que pode durar cerca de um mês -, a maioria das espécies de patos fazem a muda completa das suas penas, e não conseguem voar, ao contrário de outras aves que fazem uma mudança gradual das suas penas.

Por isso, estes dois patos ficaram no RIAS apenas o tempo suficiente para que terminassem a sua muda. 

Últimas Publicações

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Encontrou um animal selvagem ferido?

Não deverá dar água ou comida, pois pode estar a comprometer a recuperação do animal.

Não esclarecemos todas as suas dúvidas?

Loja

O RIAS tem disponíveis vários produtos para venda no nosso centro, em Olhão. Mas pode também adquirir alguns produtos sem se deslocar até ao RIAS!

Voluntariado e Estágios

Os voluntários desempenham um papel imprescindível no funcionamento do RIAS.

Desde 2009, o nosso centro já contou com o apoio de mais de 1.000 voluntários/estagiários.

Tarefas gerais do voluntário

Condições gerais

Se queres trabalhar com fauna selvagem, envia-nos o teu currículo e as datas de voluntariado / estágio através  do nosso formulário de contacto.

Donativos

Os donativos monetários são vitais para melhorias nas instalações e custos associados aos animais em recuperação.

A sua contribuição faz a diferença.

para 927 659 313

IBAN: PT50 0035 0555 0004 8770 8302 8
BIC SWIFT: CGDIPTPL (Caixa Geral de Depósitos de Olhão)

Entregue presencialmente à equipa do RIAS, nas nossas instalações ou durante algum evento.

Se pretender fatura, entre em contacto connosco.

Angariação de material

Contribua com doações de materiais essenciais para a higiene, limpeza e alimentação dos animais no RIAS.

Por favor, contacte-nos previamente para agendar a entrega dos bens.

Apadrinhamento

O apadrinhamento de um animal selvagem em recuperação no RIAS consiste numa contribuição simbólica, e dá-lhe a possibilidade de assistir à devolução à natureza do seu afilhado!

Torne-se um membro ativo na recuperação de animais selvagens em Portugal!

Simples

Valor mínimo:  35€

Super Padrinho

Valor mínimo:  50€

Devolução de animal no RIAS

Valor: (2,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos)

Devolução de animal na escola ou imediações

Valor: (3,50€/aluno, ou mínimo equivalente a 15 alunos) + Deslocação para escolas fora do concelho de Olhão

Faça da sua empresa um apoiante para a causa da conservação de fauna selvagem em Portugal. Apadrinhe!

Opções de Apadrinhamento

Cabanas: 150€

Tavira: 250€

Armona: 450€

Culatra: Sob consulta

Deserta: 1500€